Quem sabe de mim, sou eu!

— Robson Pires
10/nov/2008

Classe Hospitalar: uma realidade no Seridó


Por Robson Pires, em

A classe Hospitalar caracteriza a rotina do trabalho desenvolvido no Hospital do Seridó por alunos da UFRN-CERES, através do projeto de extensão “cuidando da criança internada e seus acompanhantes?. Este é um projeto que tem à frente alunos do curso de pedagogia com a participação de alunos do curso de matemática, cujas atividades de atendimento às crianças internadas acontecem nas instalações da referida unidade hospitalar, em Caicó/RN, em uma sala especialmente cedida por esta instituição, que por ocasião de sua implantação denominou-se sala Sulivan Medeiros. A classe Hospitalar Sulivan Medeiros representa uma atividade pioneira na região do Seridó, que tem trazido inúmeros benefícios para as crianças em situações de adoecimento.

Este projeto de Extensão desenvolve uma proposta pedagógica de atenção escolar às crianças em situação de internação, procurando fornecer orientações e suporte especializado para que vençam as dificuldades originárias do período de tratamento bem como sejam minimizados os danos decorrentes do período prolongado de afastamento da instituição escolar.

Com esse propósito, tem como metas:

– Dimensionar condições de construção do conhecimento, pela elaboração do ensino e da aprendizagem, em ambiente hospitalar, dignificando o eixo educação e saúde, de pessoas hospitalizadas;

– Fornecer uma visão multidisciplinar, capaz de amenizar problemas alusivos às áreas de saúde e educação, visando a prevenção e elevação do padrão de qualidade de vida do indivíduo hospitalizado;

– Conhecer e identificar fundamentos de higiene, saneamento, nutrição e profilaxia, visando promover ações de saúde entre pacientes, familiares e comunidade;

– Integrar as áreas de educação e saúde;

– O projeto se fundamenta na concepção de que quando a criança é afastado de seu meio (família, escola, amigos) para um tratamento de saúde (hospitalização), vivencia situações dolorosas. Neste sentido, a pedagogia hospitalar vai lhe proporcionar uma aproximação com cotidiano roubado. Assim a classe hospitalar representa o elo entre o hospital e o mundo externo.

A classe Hospitalar Sulivan Medeiros, mantida pelo centro de Ensino Superior do Seridó (CERES), tem desenvolvido ao longo de 4 anos atividades de caráter pedagógico e educativo com anuência da direção da referida instituição. A classe atende a uma média de 400 crianças ao ano e conta atualmente com uma equipe de 14 voluntários, alunos do curso de pedagogia e matemática, orientados pela Profª Drª. Tânia Cristina Meira Garcia. O coordenador da sala e idealizador do projeto Professor Anderson Clayton Duarte de Medeiros, acompanha, participa da avaliação e orienta o trabalho dos alunos voluntários. A rotina da classe hospitalar envolve atividades de apoio escolar, recreação, leitura e teatro. Sendo o horário de funcionamento das 14h às 16h, de segunda à sábado.

 

A classe Hospitalar dispõe de brinquedoteca, cantinho de leitura voltado para literatura infantil, cantinho do artista para trabalhos artesanais e cantinho pedagógico. O projeto de extensão “cuidando da criança internada e de seus acompanhantes, conta com o apoio financeiro da UFRN, através do CERES, e da PROEX, além da doação de material feita por membros da comunidade e por voluntários.

A classe Hospitalar Sulivan Medeiros é a primeira classe Hospitalar do Rio Grande do Norte. A segunda classe hospitalar implantada na região situa-se em Parelhas-RN, no hospital Dr. José Augusto Dantas e resulta do reconhecimento e sucesso da sala Sulivan Medeiros. Em Parelhas a classe pedagógica hospitalar Dr. Servulo Azevedo Dias, também está vinculada a UFRN/CERES sob a coordenação da mesma equipe.

Quem foi Sulivan Medeiros:

Sulivan Medeiros nasceu em São João do Sabugi, no dia 25 de setembro de 1940. Seu pai Xisto Quintino de Medeiros, natural de São João do Sabugi (RN) foi professor na referida cidade sem ter cursado nenhuma faculdade, foi eletricista no Batalhão de Engenharia e ministro da Eucaristia da Paróquia de São José – Caicó-RN. Sua mãe, Joana Massilon de Medeiros, era doméstica, do lar (uma denominação desta época, atribuída as mulheres eu exerciam a função materna e não constava como produtoras no mercado de trabalho), sendo natural de São João do Sabugi-RN.

Do casal, nasceram nove filhos: Manoel Quintino apelidado de Nezinho, João Vicente apelidado de Dãodinho, Paulo, Antônio, José Duarte apelidado de Dudá, SUlivan, Safira, Inês e Socorro Medeiros.

A família viveu em São João do Sabugi até 1949 e a partir daí percorreram várias cidades tais como: Macaiba, Souza-PB, Jucurutu, Currais Novos, Mina do Bonito e chegaram a Caicó onde viveram e vivem até hoje.

Em 1962 Sulivan Medeiros aos 22 anos dedicou-se aos trabalhos, artísticos como costureira e passou a trabalhar no ateliê das “Deodatos?. Nesse mesmo ano dedicou-se a capela de São José, hoje Paróquia como catequista ao lado de uma irmã Melânia e outras religiosas.

Em 1965 passou em um concurso para trabalhar no Sesp dedicando-se de corpo e alma aos trabalhos de copeira na cozinha daquela casa de Saúde. Em 1969 com a implantação da fundação Dr. Carlindo Dantas, Sulivan Medeiros foi convidada pelo Dr. Vivaldo Costa para trabalhar na pediatria ao lado de Dr. Valdemar Cordeiro Filho. A partir daí dedicou sua vida aquela casa de saúde onde trabalhou no berçário, no centro cirúrgico auxiliando médicos e parteiras, terminando seu trabalho onde começou: na cozinha do hospital, desta vez como administradora.

Nas horas vagas se dedicava além da educação dos sobrinhos, à trabalhos voluntários a comunidade caicoense, tais como: verificar pressão arterial, aplicar soro e injeção, dormir em casa de pacientes, acompanhar a consultas médicas e fazer curativos. Algumas pessoas relatam que muitas vezes Sulivan angariava recursos e donativos para pessoas carentes que se internavam no Hospital do Seridó. Em 19 de janeiro de 1987 aos 46 anos após uma sessão de quimioterapia quando recebia a visita de um padre e uma freira, Sulivan Medeiros faleceu sorrindo, vítima de Leucemia Aguda. Seu testemunho de vida fica marcado em nós como exemplo de amor, solidariedade, dedicação e voluntariado.

 


12 Comentários

  1. Deyse disse:

    Já tive oportunidade de conhecer esse trabalho pessoalmente , e sinceramente é incrível .. Muita diversão com educação para as crianças que estão doentes!
    Xerifee vale a pena conhecer esse trabalho pessoalmente é muito interessante!

    Estão de Parabéns a Equipe que lá trabalha!

  2. Petrúcio Ferreira disse:

    Parabenizo o meu amigo Anderson Duarte, pelo magnifico trabalho e amanha estarei com certeza marcando presença na missa em ação de graças a esse trabalho!

  3. Camila disse:

    é o CERES tem projetos e temos que divulgar as coisa positivas…Parabéns, pelo belo projeto….

  4. Geraldo Dantas disse:

    Estarei marcando presença neste evento educativo e parabenizo a Universidade e o Hospital do Seridó pelo excelente trabalho.Um abraço Xerife!

  5. Geraldo Dantas disse:

    Amigo Anderson Duarte(competente professor de artes),

    Logo mais estarei visitando esta sala tão marcante para a vida de nossas crianças,e o próximo acontecerá se Deus quiser no dia 30 de Novembro nas urnas do CEJA e SENADOR GUERRA.Aquele abraço!

  6. camila disse:

    parabenizo todos os voluntários,alunos do curso de pedagogia que trabalham na classe hospitalar.

  7. maria josé disse:

    Sou voluntária na classe hospitalar, está sendo uma experiência maravilhosa.É gratificante o reconhecimento do nosso trabalho por parte principalmente das mães e dos profissionais que estão acompanhando as crianças, eles falam da importância do projeto para a recuperação das mesmas. todos no hospital comentam acerca das mudanças no comportamento dos pequenos ao sairem da classe hospitalar,eles ficam mais animados e dispostos.parabenizo ao idealizador do projeto andinho, e ainda à todas as voluntárias do projeto.Para mim o mais importante é fazer a criança sorrir novamente. sou voluntária com ogulho.Maria José Faria De Oliveira.

  8. Juciely disse:

    Bom dia!!!
    Sou estudante do curso de pedagogia na UFCG- Campus Cajazeiras- PB, estou no 6º período, penso em fazer minha monografia sobre PEDAGOGIA HOSPITALAR e preciso de referencias e de um local para estágio, se poder me ajudar eu agradeço.
    meu email- jucyprincy@hotmail.com

  9. Simone Rocha disse:

    Olá
    Sou pedagoga do Hospital Infantil Varela Santiago, estamos implementando o atendimento de Classe Hospitalar, a primeira aqui na capital, Natal, acho que precisamos ampliar nossos diálogos. Deixo meu e-mail para contatos: siufrn@yahoo.com.br

    Parabéns pelo trabalho.

    Simone Rocha

  10. Valeria Pinho disse:

    Sou Pedagoga e gostaria de participar de algum trabalho voluntário em qualquer setor.

  11. Sônia Lúcia ANDERE Teixeira disse:

    e um projeto inovador pois como tudo no Brasil referente a educação é devagarrrrr quase parando sou de M.G,Pouso Alegre e trabalho com a implantação do projeto aqui no Hospital local num trabalho de extensão da Universidade.Parabens para a equi pelo belo trabalho

  12. Elaine Cristina disse:

    Parabéns ! Um belo trabalho tudo que realizamos com amor e força de vontade tudo flui, Deus abençoe todos vocês à cada dia. Estou terminando Pedagogia e vou fazer pós em pedagogia hospitalar, com fé em Deus. Um forte abraço.

Deixe o seu comentário!


Twitter Facebook Instagram E-mail

  • 00
  • :
  • 00
  • :
  • 00

Sexta, 24 de Novembro de 2017


Buscar no Blog



Fan Page. Curta!



No Twitter




Calendário

novembro 2017
D S T Q Q S S
« out    
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930