Quem sabe de mim, sou eu!

— Robson Pires
19/maio/2017

Como a JBS virou uma gigante do setor de carnes


Por Robson Pires, em

jbs

Em 1953, a cidade de Anápolis, em Goiás, foi palco do nascimento da organização que seria a maior empresa do setor de carnes do mundo. A JBS começou sua expansão a partir da construção de Brasília, quando um de seus fundadores, José Batista Sobrinho, conhecido como Zé Mineiro, passou a comercializar carne para as construtoras e empreiteiras que se instalaram no Planalto Central. Dona das marcas Friboi e Seara, hoje, a JBS é a maior empresa privada em faturamento do Brasil, atrás apenas da estatal Petrobras.

Nos últimos anos, a empresa expandiu seus negócios em decorrência de empréstimos bilionários do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Atualmente, atua em 22 países, nos cinco continentes. São 340 unidades no mundo, que reúnem um contingente de 270 mil colaboradores.

O economista José Matias-Pereira, do Departamento de Administração da Universidade de Brasília (UnB), destacou que o crescimento da empresa tem forte ligação com o aporte dos bancos públicos. “A JBS é uma das empresas que têm maior facilidade em conseguir financiamentos com o setor público. Isso revela que existem empresas inventadas, que começaram sem nenhuma estrutura e conseguiram aportes bilionários do Estado. Esse modo do governo de bancar empresas, em vez de apenas criar condições para seu crescimento, prejudica bastante a economia brasileira”, afirmou o especialista.

A expansão da companhia goiana foi tão rápida que, em 2008, o governo dos Estados Unidos vetou a compra da empresa Smithfield Foods. A transação seria realizada por US$ 565 milhões. Autoridades norte-americanas entenderam que, como já era detentora de outras empresas no país, a compra de mais uma poderia elevar os preços da carne para o consumidor. No entanto, em 2015, a JBS fez uma das maiores aquisições de sua história: a Cargill foi comprada por US$ 1,45 bilhão.

O crescimento da JBS e a elevação dos valores recebidos por bancos como o BNDES ocorrem ao mesmo tempo em que doações milionárias são realizadas pela companhia a políticos. Na eleição de 2014, a empresa doou R$ 391,8 milhões para, pelo menos, 16 partidos. Tal apoio ajudou a eleger a ex-presidente Dilma Rousseff, 12 senadores, 18 governadores e 190 deputados federais, o que conferiu poder político à companhia a ponto de interferir em decisões como a escolha do ministro da Agricultura. Segundo o último balanço da JBS, o valor de mercado era de R$ 30,3 bilhões no primeiro trimestre.


1 Comentário

  1. Erivan Pereira disse:

    Tudo às custas do suor do povo brasileiro. Lula e Dilma juntamente com o PT os grandes ganhadores. Socialismo se faz com o dinheiro dos outros.

Deixe o seu comentário!


Twitter Facebook Instagram E-mail

  • 00
  • :
  • 00
  • :
  • 00

Segunda, 20 de Novembro de 2017


Buscar no Blog



Fan Page. Curta!



No Twitter




Calendário

novembro 2017
D S T Q Q S S
« out    
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930