Quem sabe de mim, sou eu!

— Robson Pires
12/maio/2018

Rosto da desigualdade social tem a cor negra


Por Robson Pires, em

Termos sido um dos últimos países do mundo e o último das Américas a acabar com a escravidão nos cobra um preço alto até hoje. Apenas recentemente, com a criação das cotas para empregos no serviço público e nas universidades, o Brasil teve uma política pública de inclusão social dessa população

A desigualdade social brasileira tem muitos rostos, infelizmente. Mas o rosto mais conhecido dessa tragédia social tem a cor negra. Basta ver os índices de assassinatos de jovens negros na periferia. Basta olhar para as massas sem moradia, para as massas sem acesso à educação.

Essas massas formam um exército de mão de obra barata, um enorme contingente de pessoas sujeitas a péssimas condições de trabalho

A desigualdade social do Brasil se entrelaça com a questão racial. O preconceito nunca foi cordial. Esse preconceito sempre foi violento, mesmo quando mascarado de maneira silenciosa, como os minúsculos quartos de empregada nos grandes centros urbanos, as nossas minisenzalas. O título da série da CBN, Correntes Invisíveis, é um retrato fiel da nossa realidade em pleno século 21 _130 anos depois da abolição da escravidão no Brasil.

Por isso, é importante continuar com a política de cotas sociais, que é uma forma de a sociedade como um todo tentar resgatar uma dívida social que tem com a sua população negra.


Nenhum Comentário Até o Momento, Seja o Primeiro a Comentar!

Deixe o seu comentário!


Twitter Facebook Instagram E-mail

  • 00
  • :
  • 00
  • :
  • 00

Terça, 22 de Maio de 2018


Buscar no Blog



Fan Page. Curta!



No Twitter



Calendário

maio 2018
D S T Q Q S S
« abr    
 12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031